O autismo

Autismo é um termo geral utilizado para descrever um grupo de desordens do desenvolvimento do cérebro, hoje conhecidos como Transtornos do Espectro do Autismo (TEA).

Esses distúrbios se caracterizam por prejuízos em duas áreas: comunicação social e comportamento. Embora todas as pessoas com TEA apresentem tais dificuldades, o comprometimento nos indivíduos se apresenta em intensidades diferentes. 

Essas características geralmente aparecem antes dos três anos de vida e podem ser óbvias desde o nascimento ou tornarem-se visíveis ao longo do desenvolvimento.

Dia Mundial de Conscientização do Autismo: 2 de abril

Em 2007, a ONU declarou todo 2 de abril como o Dia Mundial de Conscientização do Autismo, quando cartões-postais do mundo todo se iluminam de azul (cor escolhida por haver, em média, 4 homens para cada mulher com TEA).

O símbolo do autismo é o quebra-cabeça, que denota sua diversidade e complexidade — criado em 1963 pela National Autistic Society, no Reino Unido.

Dia do Orgulho Autista: 18 de junho

O dia 18 de junho é o Dia do Orgulho Autista (simbolizado pelo infinito nas cores do espectro do arco-íris), considerando o autismo como identidade, uma característica da pessoa — data celebrada originalmente em 2004, pela organização Aspies for Freedom (EUA).

 
Sinais do Autismo

Alguns dos sinais abaixo podem ser percebidos antes dos 3 anos.
Apenas três deles presentes numa criança de um ano e meio já justificam uma suspeita para se consultar um médico neuropediatra ou um psiquiatra da infância e da juventude. Testes como o M-CHAT (inclusive a versão em português) estão disponíveis na internet para serem aplicados por profissionais. A família deve estar atenta e procurar um especialista para avaliação.

 

  • Não manter contato visual por mais de 2 segundos;
  • Não atender quando chamado pelo nome;
  • Isolar-se ou não se interessar por outras crianças;
  • Alinhar objetos;
  • Ser muito preso a rotinas a ponto de entrar em crise;
  • Não brincar com brinquedos de forma convencional;
  • Fazer movimentos repetitivos sem função aparente;
  • Não falar ou não fazer gestos para mostrar algo;
  • Repetir frases ou palavras em momentos inadequados, sem a devida função (ecolalia);
  • Não compartilhar seus interesses  e atenção, apontando para algo ou não olhar quando apontamos algo;
  • Girar objetos sem uma função aparente;
  • Interesse restrito ou hiperfoco;
  • Não imitar;
  • Não brincar de faz-de-conta.
Causas

As causas do autismo ainda são desconhecidas, mas a pesquisa na área é cada vez mais intensa. Provavelmente, há uma combinação de fatores que levam ao autismo. Sabe-se que a genética e agentes externos desempenham um papel chave nas causas do transtorno. De acordo com a Associação Médica Americana, as chances de uma criança desenvolver autismo por causa da herança genética é de 50%, sendo que a outra metade dos casos pode corresponder a fatores exógenos, como o ambiente de criação. De qualquer maneira, muitos genes parecem estar envolvidos nas causas do autismo. Alguns tornam as crianças mais suscetíveis ao transtorno, outros afetam o desenvolvimento do cérebro e a comunicação entre os neurônios. Outros, ainda, determinam a gravidade dos sintomas. Quanto aos fatores externos que possam contribuir para o surgimento do transtorno estão a poluição do ar, complicações durante a gravidez, infecções causadas por vírus.

 

Niveis do autismo

Comunicação Social

  •  A criança necessita de apoio contínuo para que as dificuldades na comunicação
    social não causem maiores prejuízos;
  •  Apresenta dificuldade em iniciar interações com outras pessoas, sejam adultos
    ou crianças, ocasionalmente oferecem respostas inconsistentes as tentativas de
    interação por parte do outro;
  • Aparentemente demonstram não ter interesse em se relacionar com outras
    pessoas.

Comportamentos Repetitivos e Restritos

  •  Esse padrão de comportamento repetitivo e restrito ocasiona uma inflexibilidade
    comportamental na criança, gerando assim dificuldade em um ou mais
    ambientes;
  •  A criança fica por muito tempo em uma única atividade (hiperfoco) e apresenta
    resistência quando necessita mudar para outra;
  •  Alterações na organização e planejamento podem atrapalhar o trabalho pela
    busca da independência e autonomia da pessoa.

Comunicação Social

  • A criança apresenta um déficit notável nas habilidades de comunicação tanto
    verbais como não-verbais;
  • Percebe-se acentuado prejuízo social devido pouca tentativa de iniciar uma
    interação social com outras pessoas;
  •  Quando o outro inicia o diálogo as respostas, geralmente, mostram-se reduzidas
    ou atípicas.

Comportamentos Repetitivos e Restritos

  • Apresenta inflexibilidade comportamental e evita a mudança na rotina, pois tem
    dificuldade em lidar com ela;
  •  Essas características podem ser notadas por um parente ou amigo que raramente
    visita a casa da família;
  •  A criança se estressa com facilidade e tem dificuldade de modificar o foco e a
    atividade que realiza.

Comunicação Social

  •  Há severos prejuízos na comunicação verbal e não- verbal;
  •  Apresenta grande limitação em iniciar uma interação com novas pessoas e quase
    nenhuma resposta as tentativas dos outros.


Comportamentos Repetitivos e Restritos

  • Há presença de inflexibilidade no comportamento;
  •  Extrema dificuldade em lidar com mudanças na rotina e apresentam
    comportamentos restritos/repetitivos que interferem diretamente em vários
    contextos;
  •  Alto nível de estresse e resistência para mudar de foco ou atividade.

Em resumo:

Autismo

  • Nome técnico oficial do autismo: Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), segundo o DSM-5 (2013).
  • Definição de autismo: condição de saúde caracterizada por déficit na comunicação social (socialização e comunicação verbal e não verbal) e comportamento (interesse restrito e movimentos repetitivos).
  • Causas do autismo: genéticas majoritariamente.
  • Risco genético de autismo: 97% a 99%
  • Genes envolvidos: 943 genes — sendo 102 os principais.
  • Subtipos de autismo: não há só um, mas muitos subtipos do transtorno.
  • Espectro do autismo: a diversidade de níveis de comprometimento e comorbidades é tão abrangente que se usa o termo “espectro”.
  • Dia Mundial de Conscientização do Autismo: 2 de abril
  • Dia do Orgulho Autista: 18 de junho
  • Prevalência de autismo nos EUA: 1 para 54, segundo o CDC (2020).
  • Prevalência de autismo no Brasil: não temos esse número — há apenas um estudo-piloto, de 2011, em Atibaia (SP); segundo a estimativa da OMS, o Brasil pode ter mais de 2 milhões de autistas.
  • Prevalência de autismo no mundo: e 1% da população mundial pode ter autismo, considera a ONU, através da OMS; um mapa online da Spectrum News traz todos os estudos de prevalência no planeta.
  • Tratamento para autismo: terapia de intervenção comportamental, indicada pela Associação Americana de Psiquiatria; entre outros tratamentos individualizados.
  • Lei no Brasil: “Lei Berenice Piana”, Lei 12.764 de 2012, criou a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro do Autismo, regulamentada pelo Decreto 8.368, de 2014.

      Fonte: Revista Autismo.